Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Idec apoia ação contra propaganda enganosa de bebidas para crianças

Mais de 30 mil colombianos assinaram petição contra publicidade enganosa de marcas de bebidas para público infantil na Colômbia

Compartilhar

separador

Atualizado: 

17/06/2019
Idec apoia ação contra propaganda enganosa de bebidas para crianças

Após denúncias ao órgão de Superintendência de Indústria e Comércio (SIC), a ONG colombiana Red PaPaz entrou com uma ação na Justiça contra a publicidade enganosa das bebidas Hit e Fruper. Os produtos, destinados ao público infantil, anunciavam mensagens como "fruta de verdade", "recomendado por pediatras" e "ideal para crianças". O Idec atua no caso como amicus curiae (amigo da corte).

Em 2017, a organização formada por pais, mães e cuidadores que atuam em prol dos direitos das crianças e adolescentes, recolheu mais de 36 mil assinaturas que exigiam a proteção das crianças contra a publicidade enganosa dos produtos das marcas Alpina e Postobón. Somente em março de 2018, a SIC respondeu em negativa à Red PaPaz, impedindo a ONG de participar e fornecer evidências no processo iniciado devido à denúncia apresentada pela própria Rede.

Com isso, a Red PaPaz tomou a decisão de entrar na Justiça. A ONG pede, dentre outras coisas, que seja reconhecida como “terceiro interveniente no processo administrativo da SIC” e que o órgão “tramite de forma prioritária o processo contra Postobón e Alpina”, para que seja garantida a proteção dos direitos das crianças, conforme decreto vigente.

No final de maio, o Idec apresentou manifestação, como amicus curiae na Corte Constitucional Colombiana. No momento, aguarda-se o julgamento.

Proteção contra a publicidade enganosa

No Brasil, publicidades como às das bebidas Hit e Fruper também são consideradas, além de enganosas, abusivas. Isso porque o Código de Defesa do Consumidor considera abusiva a publicidade que se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança.

Com base no que vêem em comerciais, crianças e adolescentes, e até mesmo pais e responsáveis, são levados a acreditar que tais produtos alimentícios possuem qualidade superior aos demais,  influenciando a compra.

“São propagandas que, além de transmitir informação falsa ou parcialmente falsa sobre os ingredientes dos produtos, utilizam-se de representações de crianças, de linguagem infantil e de animação, com a intenção de persuadir a criança ao consumo”, afirma Mariana Gondo, advogada do Idec.

No País, já existem leis para proteger a população contra práticas ilegais de marketing, no entanto ainda é muito comum encontrar casos de publicidade enganosa, em especial na indústria alimentícia.

Pensando nisso, o Idec criou o Observatório de Publicidade de Alimentos (OPA), por meio do qual é possível identificar e denunciar qualquer tipo de publicidade abusiva ou enganosa que não esteja respeitando o Código de Defesa do Consumidor ou outras regras que visam proteger o consumidor. OPA é uma iniciativa de membros da coalizão Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável junto com organizações e pesquisadores parceiros na agenda da restrição da publicidade de alimentos não saudáveis e da proibição da publicidade infantil. 

 

LEIA TAMBÉM

Após censura, peça educativa sobre ultraprocessados é liberada na Colômbia

Indústria do tabaco colaborou para viciar crianças em bebidas adoçadas