Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Após apagões em SP, Idec recolhe avaliação de consumidores sobre a Enel

Instituto notificou a empresa, Aneel e Arsesp e está coletando dados de pessoas que tiveram problemas no fornecimento de energia na capital paulista

Compartilhar

separador

Atualizado: 

07/03/2019
Após apagões em SP, Idec recolhe avaliação de consumidores sobre a Enel

No dia 27 de fevereiro diversos bairros de cidades da Grande São Paulo ficaram mais de 30 horas sem luz e, como se não fosse o bastante, os consumidores ainda enfrentaram dificuldades de atendimento pela Enel, empresa responsável pelo serviço. As pessoas que foram atingidas chegaram a relatar à imprensa que tiveram aparelhos eletrônicos queimados e perderam alimentos e medicamentos que eram mantidos refrigerados.

Essa foi a terceira ocorrência grave de falha na distribuição de energia elétrica desde o início do ano. Outras duas ocorreram em 11 de janeiro, na zona sul, quando uma série de explosões e incêndios atingiu cabos de transmissão; e no dia 31 de janeiro, quando houve um apagão na zona leste da cidade de São Paulo e em algumas regiões do ABC, prejudicando um milhão de consumidores. 

Diante desses fatos, no dia 1º de março o Idec notificou, pela terceira vez, a companhia, pedindo explicações, bem como as agência responsáveis pela fiscalização do serviço prestado pela Enel: Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp). O Idec já havia notificado as agências anteriormente, em janeiro.

Além disso, o Instituto criou um formulário para que os consumidores possam relatar a qualidade do atendimento da empresa e se estão sendo indenizados pelos danos sofridos. 

Quem teve problemas com interrupções no fornecimento de energia elétrica, pode entrar em contato com o SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) da distribuidora. De acordo com o Decreto 6.523/08, o serviço tem de estar disponível 24 horas por dia, durante os sete dias da semana. Veja aqui mais dicas sobre seus direitos de atendimento. Aqui você também encontra orientações de como proceder caso algum aparelho eletrônico tenha queimado em razão do apagão.
 

Notificações

Com relação às notificações enviadas o Idec solicitou que a Enel, num prazo de 10 dias, informe detalhadamente as regiões afetadas; quantidade de consumidores prejudicados e tempo que ficaram sem energia; número de pedidos para Indenização por danos (e quanto foram negados pela empresa), medidas tomadas pela companhia em relação aos consumidores que perderam alimentos e remédios por falta de refrigeração; e os procedimentos de manutenção preventiva adotados, para que fatos como esses não ocorram novamente.

Já à Aneel e Arsesp foram cobradas as atitudes tomadas em relação à Enel sobre as falhas relatadas, especificando o número dos procedimentos administrativos, com lavratura de auto de infração para apurar as causas.  “Queremos ver se as agências estão cumprindo sua função de fiscalização, pois é urgente identificar os responsáveis pelos ocorridos, aplicando as sanções cabíveis, e garantir que os consumidores recebam assistência e indenização”, afirma Clauber Leite, engenheiro e pesquisador do Idec em Energia e Consumo Sustentável.

 

LEIA TAMBÉM

Consumidor que teve aparelho queimado no apagão pode ser ressarcido

Queda de energia elétrica: veja como SAC precisa atender consumidores