Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Declaração de Mandetta demonstra desconhecimento de evidências científicas

Em entrevista sobre o processo de aprimoramento da rotulagem nutricional no País, ministro da saúde desconsidera trabalho de pesquisadores e de agência reguladora

Compartilhar

separador

Atualizado: 

15/05/2019
Declaração de Mandetta demonstra desconhecimento de evidências científicas

O ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta. Foto: José Cruz/Agência Brasil

 

Em matéria divulgada ontem (9) pela rádio CBN, o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta falou pela primeira vez sobre o processo de aprimoramento da rotulagem nutricional no País.

Demonstrando desconhecer o processo que acontece desde 2014 na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão responsável por estabelecer as regras de rotulagem no Brasil, Mandetta afirmou que o modelo mais adequado para o País pode ser o italiano.

"Há um grupo maior dentro do ministério, eu estou deixando eles debaterem, indo em direção ao informativo. Eu acho que é um modelo mais italiano, onde a Itália tem sido a maior protagonista”, afirma Mandetta à rádio CBN.

A fala do ministro diverge do que pesquisadores, profissionais de saúde pública nacionais e internacionais, além de entidades médicas e organizações internacionais, já apresentaram de evidência científica para o processo de aprimoramento da rotulagem no Brasil. Além disso, desconsidera a experiência dos países que já adotaram a rotulagem nutricional de advertência, como é o caso do Canadá, Israel, Peru, Uruguai..

O posicionamento também desconsidera o relatório preliminar de análise de impacto regulatório da Anvisa, apresentado em 2018, que considerou o modelo de advertências que indicam o excesso de nutrientes prejudiciais à saúde a opção mais eficaz para o Brasil.

Teresa Liporace, coordenadora executiva do Idec, enxerga com preocupação o fato de o ministro utilizar como referência a Itália, país que até o momento não teve nenhum envolvimento significativo com a agenda de aprimoramento da rotulagem.

“Já enviamos pedidos de audiência com o Ministro para tratar das políticas de controle da obesidade, porém ainda não fomos recebidos. Esperamos que, considerando o interesse e urgência de avanço nesse tema, o ministro nos receba o mais rápido possível”, destaca Liporace.

Rotulagem no Brasil

Outro ponto que o Idec identifica como preocupante na fala do ministro é a referência ao GDA, modelo de rotulagem adotado voluntariamente por muitas empresas no Brasil, que já havia sido descartado no processo regulatório da Anvisa com base na evidências irrefutáveis disponíveis sobre o tema.

Na proposta do GDA, as informações sobre os nutrientes que estão na tabela no verso da embalagem são copiadas para a frente, sem nenhuma indicação ou interpretação que facilite a compreensão e o uso da informação pelos consumidores. O modelo já foi bastante criticado por especialistas em saúde de todo o mundo.

“Nos causa muito estranhamento a menção ao modelo do GDA, tanto pela discussão acumulada sobre o tema internacionalmente, quanto a menção à Itália, um país que não está à frente da discussão a respeito”, afirma Ana Paula Bortoletto, líder do programa de alimentação saudável do Idec.

O Ministério da Saúde é um dos órgãos envolvidos na discussão de rotulagem no País, que está inserida em um processo com todos atores relevantes da sociedade, sob coordenação da Anvisa. Até o momento, o processo regulatório da agência seguiu todas as etapas previstas para análise de impacto regulatório de uma medida de tamanha importância, de forma a evitar quaisquer questionamentos judiciais.

O processo em andamento foi priorizado na agenda da Anvisa com prazo para conclusão da consulta pública em 2019. Órgãos de controle como o Ministério Público Federal acompanham o processo e já se reuniram com o diretor presidente, William Dib, para solicitar agilidade para tratar o tema, que segue a tendência global de adoção de medidas regulatórias recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para frear a grave epidemia de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis provocadas por escolhas alimentares não saudáveis.

 

LEIA TAMBÉM

Anvisa avança na revisão da rotulagem nutricional de alimentos

Chilenos mudam hábitos alimentares após inclusão de alertas nos rótulos