Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Vale a pena aderir à tarifa branca?

Sistema pode deixar conta de luz mais barata no final do mês, mas isso depende do hábito de consumo do consumidor

separador

Atualizado: 

23/03/2018

No início de janeiro de 2018, começou a valer em todo Brasil um novo regime tarifário que promete fazer com que os consumidores economizem energia: a chamada tarifa branca. 

A medida, criada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) para desafogar o sistema elétrico e tornar a rede mais eficiente, oferece luz mais barata a aqueles que a consumirem fora do horário de pico, quando o uso é mais intenso. A tarifa é opcional e cabe ao consumidor escolher se adere a mudança.

O sistema ainda não está disponível para todos. Para maioria dos usuários, ela só será uma opção a partir de 2020.

Confira abaixo os detalhes sobre a tarifa e se ela vale a pena.

1.  Como a tarifa branca vai funcionar?

Até 2017, não fazia diferença na conta de luz se você usasse mais energia na parte da manhã ou da noite, na segunda ou no sábado. O preço era sempre o mesmo. Contudo, com a tarifa branca, o valor varia dependendo do horário e dia da semana.

Nos dias úteis, há três faixas de consumo, que mudam de acordo com a região: horário de pico, intermediário e fora do pico. Em São Paulo, por exemplo, o pico é das 17h30 às 20h30, o intermediário das 16h30 às 17h30 e das 20h30 às 21h30, e os demais horários são considerados fora do pico. Aos finais de semana e feriados nacionais, vale o valor do horário fora de pico.

As concessionários devem informar aos consumidores quais são as suas faixas de consumo.

2.  Quem pode aderir?

A tarifa está sendo disponibilizada de forma gradual. Em 2018, a alternativa está disponível para quem consume 500 kwh por mês ou mais, considerando a média dos últimos 12 meses - geralmente, são pequenos comércios, indústrias e casas grandes, que consomem muita energia - e para domicílios novos, que não contam com ligações elétricas. 

Em 2019, o sistema passa a valer para quem consome de 250 a 500 kWh por mês, considerando a média dos últimos 12 meses. Esse grupo é representado por comércios e indústrias menores do que os estabelecimentos incluídos anteriormente.

Já em 2020, a medida estará disponível para a maioria dos brasileiros, que têm consumo anual médio entre 150 e 200 kWh por mês.

Os dados sobre consumo podem ser verificados na conta de luz do consumidor.

A tarifa não é válida para a população que paga tarifa social - pessoas de baixa renda que já pagam uma tarifa menor e não economizariam com o sistema - e indústrias de grande porte.

3.  Será que vale a pena?

A resposta vai depender dos hábitos de consumo de cada consumidor. Se uma família utiliza mais energia no período da manhã e da tarde, por exemplo, a tarifa branca pode ser uma boa alternativa, pois não coincide com o horário de pico da região.

Algumas concessionárias disponibilizam em seus sites simuladores para que os consumidores confiram se a tarifa é benéfica. Além disso, os usuários podem fazer testes para verificar se o sistema vale a pena.

Caso desejem retornar ao sistema convencional, a concessionária deverá reestabelecê-lo em até 30 dias.

Vale ressaltar que a conta pode subir bastante, se o consumo não for gerenciado. O valor no final do mês pode subir até 83%.

4.  Como faço para aderir?

O consumidor que optar pela tarifa branca deve procurar a concessionária de energia de sua região por telefone ou em um posto de atendimento. A empresa tem 30 dias para instalar, gratuitamente, o aparelho que mede o consumo nas diferentes faixas de horário.

Caso o usuário já tenha aderido, desistiu, e pretende retornar ao sistema, o prazo será de 180 dias.