Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Vitória: Após ação do Idec, vale-transporte volta a R$ 4,30 em SP

Prefeitura de São Paulo começa a cumprir decisão da justiça nesta segunda-feira (10) e volta a liberar até 4 embarques em ônibus em período de 3 horas no vale-transporte

Compartilhar

separador

Atualizado: 

31/07/2019
Vitória: Após ação do Idec, vale-transporte volta a R$ 4,30 em SP

A Prefeitura de São Paulo informou que começou a cumprir, desde a 0h desta segunda-feira (10), a decisão judicial que determinou a suspensão das mudanças adotadas desde o fim do ano passado relacionadas ao vale-transporte na capital paulista. Desta forma, o valor volta a ser de R$ 4,30 e permite até quatro embarques, em um período de 3 horas, com a cobrança de apenas uma única tarifa.

A decisão da juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, da 9ª Vara da Fazenda Pública, ocorreu no dia 27 de maio, mas apenas nesta segunda-feira a Prefeitura alterou o sistema de cobranças da frota de ônibus.

A Ação Civil Pública foi movida pelo Idec e pela Defensoria Pública de São Paulo, por meio de seus Núcleos Especializados de Defesa do Consumidor e de Habitação e Urbanismo, e beneficia toda a população que se utiliza do vale-transporte na cidade.

Entre as medidas revertidas pela Justiça está a mudança prevista na Portaria nº 189/18 da Secretaria Municipal de Transportes, publicada em dezembro, que previu o valor de R$ 4,57 para o vale-transporte, em patamar superior à tarifa do Bilhete Único Comum (R$ 4,30); e o Decreto Municipal nº 58.639/19, que determinou a redução no número de embarques pagando uma única tarifa, já que o Bilhete Único Comum continuou permitindo até 4 embarques em um período de 3 horas, enquanto para os usuários de vale-transporte foi reduzido para apenas 2 embarques.

Em sua decisão, a juíza afirmou que “os usuários do vale-transporte somente têm direito a 2 embarques nos ônibus do Serviço de Transporte Público de Passageiros, enquanto que os demais usuários fazem jus a 4 embarques e tal tratamento diferenciado não tem justificativa válida”. Ainda enfatiza que “os usuários prejudicados com tais mudanças são justamente os integrantes dos grupos de baixa renda, que auferem de 1 a 5 salários mínimos, os quais, por motivos de trabalho, fazem mais de 2 integrações e residem em bairros periféricos da cidade.”

Para o pesquisador em Mobilidade do Idec Rafael Calabria, a decisão de Justiça corrigiu uma grave distorção provocada pela administração pública. “A prefeitura estava adotando uma medida prejudicial para o sistema de transporte, que está planejado prevendo um certo número de integrações no deslocamento das pessoas, e discriminatória com a população das periferias, que estava adotando medidas paliativas para usar o transporte público na capital, e poderia ser prejudicada na concorrência por postos de trabalho, já que se tornou mais cara para os empregadores”.

Além da liminar concedida pela Justiça, a ação movida pelo Idec e Defensoria ainda pede que a Prefeitura de São Paulo devolva aos usuários de vale-transporte os valores por cada cobrança além de dois embarques e que restitua os usuários por embarques que tenham sido pagos com a tarifa do Usuário Comum, além da condenação da Prefeitura à indenização pelo dano moral coletivo. Esses pedidos ainda serão analisados no decorrer da ação pela Justiça.

 

LEIA TAMBÉM

Idec e Defensoria Pública ajuízam ação contra mudanças no VT em SP

Por que as prefeituras não precisam aumentar a tarifa de ônibus todo ano

Passageiro também é consumidor: conheça seus direitos no transporte público

Talvez também te interesse: