Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Idec critica planos de saúde por se negarem a atender inadimplentes

ANS ofereceu até R$ 15 bilhões para que operadoras atendam seus consumidores durante a crise gerada pela pandemia de Covid-19, mas maioria das empresas preferiu não aceitar o auxílio do que atender inadimplentes

Compartilhar

separador

Atualizado: 

13/05/2020
Foto: Nathalie Brasil/ Semcom / Fotos Públicas
Foto: Nathalie Brasil/ Semcom / Fotos Públicas

 

Especial Pandemia de Coronavírus

ESPECIAL PANDEMIA DE CORONAVÍRUS:
Informação segura para sua saúde e para seus direitos

Baixe Agora

 

No dia 20 de abril, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou o desbloqueio de cerca de R$ 15 bilhões em recursos para as operadoras de planos de saúde, proveniente dos fundos garantidores, para serem usados no combate à pandemia de coronavírus, como anunciado pelo ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em 19 de março. 

A medida chamou atenção do Idec. Em ofícios enviados para a agência reguladora e para o ministério, o Instituto questionou o uso desta reserva técnica, composta por recursos pagos por consumidores em suas mensalidades com o objetivo específico de assegurar atendimento nos casos de falência ou liquidação extrajudicial das operadoras. Nos ofícios aos dois órgãos, o instituto solicitou informações sobre as regras para o uso desses recursos, a fim de que consumidores não fossem prejudicados no futuro. 

Ao formular o termo de compromisso liberando os recursos, a ANS estipulou algumas contrapartidas em um Termo de Compromisso: a não suspensão de atendimentos até junho de 2020, inclusive para inadimplentes, e a manutenção do pagamento de prestadores. Mas, se o uso dos fundos garantidores já mereciam mais atenção e transparência, a resposta dadas pela maioria das operadoras de planos de saúde do País despertou indignação.

A adesão pífia de apenas 9 empresas aos termos de compromisso é uma mensagem clara: se for para atender inadimplentes durante a pandemia, as operadoras preferem ficar sem a ajuda financeira disponibilizada pela agência reguladora.

O Idec lamenta profundamente essa decisão, manifestada expressamente pela Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), que representa 16 grupos de operadoras do país, e da Unimed Brasil, de virar as costas para seus consumidores. Consumidores que por muito tempo pagaram seus planos de saúde em dia e que, por conta de dificuldades financeiras indiscutivelmente alheias a sua vontade, atrasarão suas mensalidades, podendo ficar sem atendimento.

Surpreende-nos especialmente a postura da direção nacional da Unimed, que em tese deveria se apresentar como uma cooperativa médica, ou seja, uma entidade governada por esses profissionais. Médicos e médicas por todo o Brasil estão se dedicando de forma extraordinária no enfrentamento da Covid-19, junto a outros profissionais de saúde, e mostrando uma das faces mais fortes do enfrentamento desta crise. A postura da entidade, de se abster de qualquer atitude em prol do consumidor e dos prestadores de serviços, revela importante contradição com o comprometimento dos profissionais que estão na ponta.

É importante frisar que, com o SUS chegando ao limite da sua capacidade de leitos de UTI e CTI, o risco com o qual estamos lidando é de desassistência e morte.

As justificativas das operadoras de planos de saúde para não assinar o compromisso são o perigo do estímulo à inadimplência generalizada e o aumento dos custos durante a pandemia. Em relação à inadimplência generalizada, o argumento não é razoável. As despesas com plano de saúde são sabidamente as últimas a serem cortadas pelos consumidores, como o mercado está cansado de saber. A tolerância é por tempo curto e os pagamentos serão renegociados.

Sobre a segunda justificativa, se, por um lado, a pandemia é uma situação nova e inesperada que traz demanda extra ao setor saúde, por outro lado, justamente pela crise atual, vários usuários desmarcaram, cancelaram ou adiaram procedimentos não urgentes como consultas, exames, cirurgias eletivas etc., o que reduziu a pressão financeira sobre as empresas do setor, dando-lhes fôlego para o enfrentamento atual. Os atendimentos, embora adiados, poderão ser recompostos gradualmente.

Ainda, o argumento do aumento de custos depende de comprovação por informações transparentes sobre o comportamento do mercado, o que o Idec já solicitou da agência reguladora, esperando que esta cumpra seu papel de produtor de dados confiáveis sobre o setor, diminuindo a assimetria de informação.

Frente ao risco de desassistência e morte, iniciativas solidárias tem despontado.  Os profissionais de saúde dão o exemplo, colocando-se corajosamente na ponta do enfrentamento ao novo coronavírus. Além deles, os cidadãos-consumidores que estão cumprindo como podem as medidas de isolamento social visando achatar a curva de infectados, mesmo com prejuízo de seus ganhos financeiros.

E, não menos importante, empresas com responsabilidade social e consciência do seu papel no país tem mostrado que em tempos de dificuldade é possível fazer mais pela sociedade. Indústrias dos mais variados setores da economia estão convertendo parcial ou integralmente suas linhas de produção para atender à demanda interna por insumos médico-hospitalares e outras necessidades. Outras vem fazendo consideráveis doações para o SUS, sem descuidar do cuidado com seus colaboradores e consumidores.

O momento atual requer sacrifícios de todos os segmentos da sociedade. O Idec pergunta qual será a contribuição dos planos de saúde frente aos seus milhões de consumidores exatamente no momento em que o risco é de perda de vidas.

LEIA TAMBÉM:

Coronavírus: seus direitos com seu plano de saúde

Idec propõe mais proteção aos consumidores de planos de saúde

Idec alerta para aumento de preços de insumos médicos na pandemia

Talvez também te interesse: