Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Vitória: sistema biométrico de SP é revogado

Rafael Zanatta, pesquisador em direitos digitais do Idec, afirma que recuo reforça ideia de fragilidade jurídica

Compartilhar

separador

Atualizado: 

18/09/2018
Vitória: sistema biométrico de SP é revogado

Sob pressão, o governador de São Paulo, Márcio França, determinou hoje (14) a revogação da portaria da Imprensa Oficial que criava um sistema biométrico estadual que poderia ser comprado por empresas credenciadas. Rafael Zanatta, pesquisador em direitos digitais do Idec, celebra a decisão, “a revogação é uma vitória da sociedade civil e dos cidadãos paulistas”. 

O caso ganhou repercussão após o jornal Folha de S. Paulo publicar uma matéria sobre a venda de dados sigilosos de 30 milhões pelo governo paulista. França negou ontem que o governo paulista vende informações sigilosas de identificação da população incluídas no cadastro do RG, como a digital, para empresas. Entretanto, em entrevista em Santos, não descartou a possibilidade de o sistema ser usado por particulares.

Zanatta afirma que o recuo reforça a ideia de que há fragilidades jurídicas no sistema, além de mostrar a incompetência da Imesp (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo) para atuar como certificadora de dados biométricos.

O Idec argumentou em abril que o órgão só poderia assumir tais funções se a Lei Estadual 11.445/2003, que determina as funções da Imesp, fosse modificada. Na época, o governo respondeu essa questão dizendo que para otimizar o uso dos recursos em favor do interesse público, modificou seu estatuto a fim de reconhecer a certificação digital com identificação biométrica para qualquer interessado.

“Entendemos que é ilegal, de acordo com a Constituição e o direito administrativo brasileiro, que a Imesp assuma funções de venda de serviços de autenticação de dados biométricos com base em simples mudança de seu estatuto”, pontua o Instituto em posicionamento divulgado hoje.

Mesmo sem uma lei específica de dados pessoais, Zanatta afirma que a nova lei de proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública (Lei 13.460/2017) já garante a proteção das informações dos usuários.

Como o sistema funcionaria

O sistema biométrico paulista iria recolher dados biográficos, como nome da pessoa e de sua mãe, e a impressão digital. Hoje, somente órgãos policiais e a Justiça têm acesso a essas informações.

De acordo com o decreto, cidadãos que tiraram RG e CNH (Carteira Nacional de Habilitação) no estado poderiam ser identificados. Ou seja, cerca de 43 milhões de habitantes poderiam ser afetados. 

A portaria que regula o serviço possibilita que qualquer pessoa jurídica que cumpra uma série de exigências, como ter dispositivos homologados para a leitura biométrica, tivesse acesso a esses dados. 

Tanto a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) quanto o Idec viam falhas legais para a utilização dessas informações. Além disso, diziam que havia incertezas em relação à segurança dos sistemas utilizados, já que o decreto informa genericamente que a empresa contratante precisaria ter proteções contra vírus e invasões, mas não existiam maiores exigências sobre segurança da rede.

“O Idec entende que há base legal para exigir que dados de segurança pública (Polícia Civil) e de segurança do trânsito (Detran) sejam utilizados para suas finalidades legítimas, garantindo a devida proteção de dados pessoais dos usuários de serviços públicos e impedindo a sua comercialização, sem consentimento dos titulares, em serviços como o que foi elaborado pelo governo do Estado de São Paulo” finaliza o Instituto em seu posicionamento.

LEIA TAMBÉM

Sistema biométrico paulista pode deixar dados de usuários vulneráveis

Vírus em roteadores de internet se espalha pelo mundo

Após anos de pressão, Lei de Dados Pessoais é aprovada na Câmara