Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Publicidade infantil: entenda quais são os perigos

As crianças são consideradas sensíveis e vulneráveis à publicidade, por isso a propaganda para esse público deve ser regulada cuidadosamente

separador

Atualizado: 

17/06/2019
Publicidade infantil: entenda quais são os perigos

Por ser um público vulnerável e persuadido com facilidade, as crianças são vistas pelas empresas como parte relevante do mercado. Para o Idec, tendo como base o artigo 37 do CDC (Código de Defesa do Consumidor), a publicidade direcionada ao público infantil é abusiva pois se aproveita da deficiência de julgamento da criança. O Conselho Federal de Psicologia afirma que “além da menor experiência de vida e de menor acúmulo de conhecimentos, a criança ainda não possui a sofisticação intelectual para abstrair as leis (físicas e sociais) que regem esse mundo, para avaliar criticamente os discursos que outros fazem a seu respeito”.

Em março de 2014 foi aprovada unanimemente a Resolução nº 163 do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), que considera abusiva a publicidade e a comunicação mercadológica dirigidas à criança, definindo especificamente as características dessa prática, como por exemplo o uso de linguagem infantil, de pessoas ou celebridades com apelo ao público infantil, de personagens ou apresentadores infantis, dentre outras.

Segundo a nutricionista e líder do Programa de Alimentação Saudável e Sustentável do Idec Ana Paula Bortoletto, a criança é muito sensível às estratégias e práticas publicitárias, o que se torna ainda mais complicado quando a publicidade estimula padrões alimentares não saudáveis.

No caso do setor de alimentos e bebidas não saudáveis, muitas empresas lançam mão de práticas desleais. A OMS (Organização Mundial da Saúde) já se pronunciou pela necessidade da regulação da publicidade de alimentos e, desde 2005, reconhece a comercialização de alimentos não saudáveis para a população infantil como um fator que contribui para o aumento dos níveis de obesidade e sobrepeso. Em 2012, a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) ressaltou a importância da regulação da publicidade de alimentos não saudáveis direcionada às crianças. Embora alguns acordos diretos com empresas do setor alimentício tenham sido fechados, a OMS tem ressaltado que cabe aos governos a responsabilidade de garantir a tomada de medidas efetivas, bem como o monitoramento dos acordos de restrição da publicidade de alimentos não saudáveis voltados às crianças.

“O Idec entende que toda publicidade que tem o público infantil como interlocutor desrespeita o princípio da identificação, pois a criança não tem condições de analisar criticamente o interesse mercadológico que existe por trás da informação direcionada a ela. Por ser hipervulnerável às práticas de marketing, esse público merece especial proteção”, defende Bortoletto.

Ciente da importância do monitoramento dessas práticas, o Idec, em parceria com outras organizações da sociedade civil e grupos de pesquisa científica relacionados ao tema de publicidade de alimentos, lançou em 2019 o Observatório de Publicidade de Alimentos (OPA), com o principal objetivo de receber denúncias de publicidades abusivas ou enganosas de alimentos.

 

LEIA TAMBÉM

10 passos para uma alimentação saudável

Rótulo confuso? Veja dicas para fazer escolhas mais saudáveis

Talvez também te interesse:

A base alimentar da cozinha caipira tem forte influência dos hábitos dos indígenas guarani