Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Confira dicas para escolher o presente ideal no Dia das Crianças

Pais e familiares devem prestar atenção na faixa etária e critérios de segurança na hora de adquirir um produto. Veja também onde encontrar os mimos

separador

Atualizado: 

20/10/2017

Pensar no presente ideal para crianças pode parecer uma tarefa fácil, mas, na prática, nem sempre é. Próximo a datas como o Dia das Crianças, os pequenos ficam ansiosos e pedem desde brinquedos, até viagens ao espaço.

Já os pais e familiares ficam determinados a escolher o melhor presente, que pode ser um passeio divertido ou produtos encontrados em lojas e feiras de troca de brinquedos. Contudo, independentemente do que forem planejar, os adultos precisam tomar alguns cuidados na hora de escolher o mimo.

Para tornar essa busca mais fácil e agradável, o Idec listou algumas dicas do que precisa prestar atenção e onde encontrar o presente para os pequenos. Confira.

- Faixa etária

Antes de pensar no presente, considere a idade da criança. Os produtos têm indicações de faixa etária diferentes que devem ser seguidas tanto por questões de segurança quanto por questões educativas. Caso tenha filhos de idades diferentes, monitore a brincadeira dos pequenos para evitar acidentes.

Para crianças entre 18 meses  a 3 anos de idade, por exemplo, procure dar presentes que estimulem o seu desenvolvimento, como brinquedos musicais, bolas e caderno de desenhos.  Já para crianças de 4 a 9 anos, jogos eletrônicos, bicicleta ou outros produtos que estimulam brincadeiras coletivas são boas opções.

- Segurança

Outra medida essencial é verificar se o brinquedo tem o selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Essa certificação é obrigatória e garante que o produto passou por testes de segurança. O selo pode vir impresso, em etiqueta adesiva na embalagem ou afixada ao próprio produto em etiquetas de pano ou papel, como no caso das pelúcias.

Mas o selo do Inmetro não é o único critério a ser observado em termos de segurança. Avaliar as características dos produtos é fundamental para proteger os pequenos de acidentes. Mesmo se o item for reconhecido no mercado, fique atento à presença de tinta e de peças pequenas, pontiagudas e cortantes. 

Caso ache necessário, peça para manusear o produto. Ler o manual de instruções é uma medida importante para garantir que o presente não se transforme em dor de cabeça depois.

- Feira de trocas

As feiras de troca de brinquedos são boas opção para aqueles que não querem gastar e desejam ensinar as crianças a compartilharem. Elas são iniciativas de intercâmbio de produtos que acontecem em todo o País.

O programa Criança e Consumo do Instituto Alana, desde 2006, ajuda diversas pessoas a organizarem e promoverem feiras desse tipo. Caso queira saber mais, entre no site da organização e confira a programação.

- Compra online

Muitos consumidores optam por realizar a compra do presente do Dia das Crianças pela internet, telefone ou catálogos. Nesses casos, como não é possível ver o produto antes e avaliar os aspectos de segurança, por exemplo, o consumidor pode desistir da compra. O CDC (Código de Defesa do Consumidor) garante o direito de arrependimento, ou seja, é possível cancelar a compra sem custo em até sete dias após realizá-la ou a partir do recebimento da mercadoria.

Antes de comprar pela web é importante verificar se a loja é confiável. Procure empresas conhecidas ou indicadas por amigos, e observe se o site possui canais de contato, se informa o CNPJ e endereço, entre outras informações. 

Caso vá comprar pela internet ou por outro meio à distância, não se esqueça de conferir o prazo de entrega para garantir que o presente chegará a tempo do Dia das Crianças. Embora seja obrigação da loja cumprir o prazo prometido, é bom comprar com antecedência para ter uma “margem de segurança” em caso de atraso.

- Produtos importados

No caso de compra em sites estrangeiros, não se deve levar em conta somente o preço do produto. É preciso considerar também outras taxas como o custo do frete e dos impostos incidentes sobre importações. 

Além disso, cheque se a empresa tem representantes no Brasil. Só assim poderá contar com assistência técnica e reclamar mais facilmente caso o produto apresente defeito.

Vale lembrar também que nem todos os países têm regras rigorosas de segurança para seus produtos Por isso, redobre os cuidados nesse caso.