Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Se quer aproveitar a Black Friday fique de olho nos preços

Compartilhar

separador

Estadão

Atualizado: 

11/12/2017

Na sexta-feira acontece a Black Friday, um dia em que o comércio oferece descontos para os mais variados produtos e serviços. Na verdade, uma disputa para abocanhar parte do 13º dos consumidores e uma forma para limpar os estoques e deixar espaço para a mercadoria do Natal.

Seja como for, quem pretende sair às compras pode mesmo fazer um bom negócio em meio às promoções. Mas só há uma maneira de saber se a oferta compensa ou não: acompanhar desde já, e o quanto antes, os preços daquilo que está em sua mira.

É preciso fazer uma pesquisa dos produtos desejados em diferentes lojas, físicas ou virtuais. Todo cuidado é pouco, porque em anos anteriores comerciantes inescrupulosos elevavam os preços das mercadorias dias antes da promoção para “baixá-los” na Black Friday. O que não passa de que uma farsa, uma maquiagem de preços.

Desde setembro, o Procon-SP vem realizando um levantamento nos 15 principais sites do comércio eletrônico justamente para identificar esse tipo de manobra. Assim, durante a sexta-feira, os técnicos poderão avaliar as denúncias que chegarem dos clientes e agir.

Ficar de olho nos preços pode ser útil tanto para ter certeza de que a compra é vantajosa como para ter ideia de quanto vai gastar. Convém fazer as contas, se organizar, verificar se as despesas estão compatíveis com o orçamento. Entrar em dívidas para aproveitar descontos pode não valer a pena.

Além da questão financeira, o apelo maior da Black Friday, outras providências se tornam necessárias para o sucesso das compras. A começar pela idoneidade e qualidade dos serviços da empresa que está lhe vendendo algo.

O Procon de São Paulo realiza um trabalho bem interessante para quem vai comprar pela internet. É um levantamento dos sites de empresas que mais recebem reclamações de clientes: atraso na entrega, fretes caros, defeitos nos produtos, preços divergentes dos anunciados e até mesmo golpes financeiros, por receber o pagamento sem entrega da mercadoria.

Portanto, não deixe de dar uma espiada na lista de sites suspeitos em  http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php .

Além desse serviço, o Procon também tem uma lista com o nome dos fornecedores que lideraram o número de queixas na Black Friday de 2016, num total de 1.638 manifestações. Entre as reclamações mais comuns estavam o cancelamento da compra sem justificativa, preço diferente ao da oferta e produto indisponível. Acompanhe:

1 – Adidas (482)

2- Grupo Pão de Açúcar – Extra – Ponto Frio – Casas Bahia (235)

3 – B2W – Americanas – Submarino – Shop Time (193)

4 – Kabum (59)

5 – Wal Mart (53)

6 – Magazine Luiza (44)

7 – Carrefour (24)

8 – FastShop (23)

9 – Netshoes – Zattini (22)

10 – Beleza na Web (20)

Sites indesejados

O especialista em Cibersegurança da 4CyberSec, Rafael Narezzi, listou algumas dicas para quem quer cercar-se de mais garantias nas compras pela internet.

A primeira delas é desconfiar de “ofertas milagrosas”. A segunda, preferir o acesso direto ao site em vez de clicar em links de e-mails, mesmo sendo de empresas conhecidas, e a terceira certificar-se de que o website que está acessando é o legítimo da empresa. Às vezes, impostores compram domínios faltando uma letra no meio, confundindo facilmente os internautas.

Tudo isso pode levar o consumidor a efetuar a compra e o pagamento a empresas que não existem. Sites que só oferecem a opção de pagamento via boleto bancário também devem ser olhados com reservas.

O Idec orienta o consumidor a verificar se o site dispõe de endereço físico, telefone e canais de contato direto com o consumidor, como chat, e-mail e SAC. E a imprimir as páginas do anúncio com as características da mercadoria e checar a comprovação da oferta. Em relação ao pagamento, é necessário acompanhar a conta corrente e fatura do cartão, para comunicar a administradora ou banco em caso de anormalidade.

Entrega e devolução

Durante a Black Friday é comum as empresas trabalharem com prazos mais elásticos, portanto, verifique a data prometida para a entrega. Quem estiver comprando para presentear um aniversariante ou mesmo alguém no Natal deve redobrar a atenção com esses prazos.

Veja se no site da empresa existe a opção de troca ou devolução. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, nas compras feitas pela internet, catálogos ou telefone, haverá um prazo de 7 dias, a partir da data da entrega, para cancelar a compra e pedir o dinheiro de volta. E isso mesmo que o produto não apresente qualquer tipo de defeito.

Horários

Como se vê, fazer uma boa compra na Black Friday requer muito mais que um simples desejo de consumir.  Até mesmo os horários em que será feita a compra têm influência direta no sucesso da empreitada.

Se for pela internet, saiba que as lojas online costumam atualizar suas páginas às primeiras horas de sexta. E os produtos com maiores descontos tendem a se esgotar rapidamente. Se for na loja física, as filas para a entrada em determinadas redes se formam na madrugada.