Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

A poucos passos de um Brasil mais saudável

Modelo de rotulagem nutricional contribui diretamente na prevenção de doenças

Compartilhar

separador

Folha de S.Paulo

Atualizado: 

14/11/2019

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, em 30/10/2019

O Brasil, desde 2006, tornou obrigatória a existência de informações nutricionais em embalagens de alimentos. Agora, temos a oportunidade de possibilitar à população mais esclarecimento a respeito do que ela está consumindo: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu uma consulta pública para decidir qual será o modelo de rotulagem nutricional a ser adotado no País. 

O debate tem duas faces muito bem definidas: profissionais de saúde e organizações da sociedade civil como a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) e o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) e, de outro lado, a indústria de alimentos. O modelo defendido pelo primeiro grupo consiste na presença de triângulos pretos que se destacam nos rótulos e informam com nitidez o excesso de ingredientes nocivos presentes em determinado produto.

Como organização de profissionais de saúde envolvidos no estudo da obesidade, é nosso dever participar ativamente desse processo. Rótulos mais adequados contribuem diretamente na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), que são hoje a principal causa de morte dos brasileiros e estão associadas com o consumo excessivo de alimentos ricos em gordura saturada, açúcares ou sódio, como bolos industrializados, macarrão instantâneo, biscoitos recheados e muitos outros alimentos ultraprocessados.

É importante ressaltar que o modelo de advertência em formato de triângulos foi desenvolvido com base não em impressões vagas ou interesses comerciais, mas sim em evidências científicas e experiências internacionais, tendo como norte o interesse público. Diversos estudos comprovam, sucessivamente, a superioridade do modelo. Um deles mostrou que voluntários acertaram os ingredientes presentes em altas quantidades 75,7% das vezes ao serem apresentados à rotulagem com alertas em triângulos, contra apenas 35,4% de acertos quando consultaram a rotulagem defendida pela indústria. 

Esse resultado é corroborado na prática no Chile, país percussor na adoção da rotulagem nutricional de advertência no mundo. Uma pesquisa conduzida pela Universidade do Chile descobriu que a nova forma de apresentar as informações nutricionais trouxe mudanças expressivas nos hábitos alimentares da população. Metade das mães relataram usar as informações para saber se um alimento é saudável ou não e foi constatada uma diminuição substancial na compra de produtos altos em açúcar, como 25% de queda na compra de bebidas adoçadas e 14% na de cereais matinais. Acertadamente, por lá, produtos com alertas não podem sequer ser comercializados em escolas. 

Não é questão de condenar os produtos industrializados, já que nem todos esses alimentos são ruins para a sua saúde. Praticamente todos os alimentos que consumimos são processados de alguma forma, e contamos com eles para termos uma dieta saudável. 

Frente ao corpo de evidências científicas indiscutivelmente favorável e a necessidade urgente de medidas populacionais para frear o avanço das DCNTs, a nossa expectativa é grande pela implementação da rotulagem frontal no formato de triângulos, permitindo que o brasileiro possa fazer escolhas alimentares mais conscientes, saudáveis e sustentáveis.

O momento é um divisor de águas para a saúde no País. Até o dia 6 de novembro a consulta pública estará aberta. A Anvisa sugere um modelo nunca testado no Brasil, nem comparado ao modelo de advertência, ou seja: fraco em evidência científica! O que está em discussão aqui é o futuro da saúde de todos os brasileiros e a informação é nossa maior aposta no combate ao avanço das DCNTs.

 

Por:

Por Dra.Maria Edna de Melo, médica endocrinologista, chefe da Liga de Obesidade Infantil do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

e Mario Kehdi Carra, médico endocrinologista e atual presidente da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica)

 

 

Talvez também te interesse: