Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Mercado e farmácia são alvo de inquérito sobre 'falso' leite em pó

Em defesa da saúde infantil, ONGs denunciam venda de composto lácteo sem frase de advertência

Compartilhar

separador

Folha de S. Paulo

Atualizado: 

10/06/2019
Mercado e farmácia são alvo de inquérito sobre 'falso' leite em pó
Mercado e farmácia são alvo de inquérito sobre 'falso' leite em pó

O Ministério Público de Jundiaí vai apurar queixa de ONGs contra RaiaDrogasil, Drogaria São Paulo, Coopercica e Carrefour por publicidade irregular e venda de composto lácteo, produto em pó com apenas 51% de leite, sem advertência no rótulo.

A IBFAN, de direito à amamentação, e o Idec, de defesa do consumidor, afirmam que as embalagens dos compostos são quase idênticas às de leite em pó, o que pode configurar risco à saúde de crianças.

"A diferença é que 49% da composição não vem do leite, podendo ter elevado nível de açúcar e gordura, enquanto o leite em pó é leite desidratado. As pessoas não conseguem definir qual é um e qual é o outro", diz Mariana Gondo, advogada do Idec. 

Há alguns anos a IBFAN realiza um monitoramento no Brasil em observância à Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de 1ª Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras (NBCAL). Entre as diretrizes estão a necessidade de advertência em certos produtos.

A rede diz que o composto lácteo não é indicado para crianças com menos de três anos por conter maltodextrina e outros aditivos químicos.

“O fabricante recomenda que a criança consuma o composto lácteo de duas a três vezes ao dia. Porém, numa única refeição, se um bebê entre 7 e 12 meses ingerir apenas esse produto, o consumo energético será de mais da metade do indicado. Portanto, pode levar à obesidade”, diz Jeanine Maria Salve, nutricionista e membro da Ibfan em publicação recente do Idec.

O último monitoramento cobriu 11 estados e quase 30 municípios, e detectou 228 infrações relativas a produtos e serviços em 101 empresas que comercializam produtos infantis. A primeira cidade a instaurar o inquérito foi Jundiaí.

Segundo o Idec, os pontos de venda são corresponsáveis porque devem garantir que os produtos das prateleiras tenham publicidade e rótulo adequados.  

As organizações já reclamaram à Anvisa, mas dizem que não surtiu efeito. 

A RaiaDrogasil diz que não foi notificada. Ressalta que sua conduta é seguir a legislação. As outras envolvidas ainda não comentaram.