Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

Idec pede investigação sobre uso de dados em campanha no WhatsApp

Ação solicita que Ministério Público investigue as bases usadas para "disparos em massa" contra PT

Compartilhar

separador

Folha de S. Paulo

Atualizado: 

26/10/2018
Idec pede investigação sobre uso de dados em campanha no WhatsApp
Idec pede investigação sobre uso de dados em campanha no WhatsApp

O Instituto de Defesa ao Consumidor (Idec) protocolou nesta quinta-feira (18) uma representação à Comissão de Dados Pessoais do Ministério Público Federal solicitando a abertura de inquérito civil no caso de utilização indevida de dados por empresas durante a campanha eleitoral.

A medida se baseia na reportagem da Folha que denunciou a compra de pacotes para "disparos em massa" de mensagens contra o PT no WhatsApp, ato considerado ilegal por se tratar de doação de campanha por empresas, o que é proibido por legislação eleitoral. 

“Para além da importantíssima discussão sobre violação da legislação eleitoral –que precisa ser devidamente analisada pela Justiça Eleitoral–, a matéria evidencia um cenário de graves violações de direitos dos consumidores, especialmente com relação ao comércio e fornecimento ilegal de dados pessoais (números de telefones) por empresas de cobranças e por funcionários de empresas de telecomunicações”, diz o documento.

No esquema, empresas que apoiam o candidato Jair Bolsonaro (PSL) compram um serviço para disparar os conteúdos eleitorais no WhatsApp, que usa a base de usuários do candidato e bases comercializadas por agências de estratégia digital.

Com essas informações, as agências conseguem direcionar os conteúdos de forma segmentada, por região geográfica e, às vezes, por renda.

O Idec abriu a representação porque julga que o Ministério Público deve averiguar se esses serviços de disparos possuem uma base de dados obtida de forma lícita.

A organização destaca que um consumidor que preenche um cadastro em uma loja de departamentos para manutenção de sua relação comercial com o fornecedor “não pode ter seus dados utilizados para envio de mensagens de cunho político, especialmente durante os dias que antecedem as eleições”. 

A reportagem diz que algumas bases foram fornecidas por funcionários de empresas de telecomunicações.

O Idec diz que o Ministério deve investigar de que modo as bases são adquiridas pelos funcionários, em quais empresas eles trabalham e qual a quantidade de registros (números de telefones) presentes nessas bases.

O instituto ressalta que não pode comprovar a ilicitude das empresas, por isso pede a ampla divulgação da abertura do inquérito civil. Baseia parte de sua argumentação no Código de Defesa do Consumidor e na recém-aprovada Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais.

A norma determina que o tratamento de dados pessoais seja compatível com a finalidade da sua coleta, ou seja, se uma pessoa fornece um dado para uma empresa de telecomunicação, por exemplo, não espera que o mesmo seja usado para fins de campanha eleitoral.

Talvez também te interesse: