Bloco Associe-se

Associe-se ao Idec

A gordura trans que você não vê

A gordura trans que você não vê...
 

O QUE É A GORDURA TRANS?

É um tipo de gordura que pode ocorrer naturalmente em alimentos de origem animal ou ser produzida industrialmente por meio de processos tecnológicos.

Este segundo processo é a forma como a gordura trans é mais frequentemente encontrada nos produtos alimentícios. Para a sua produção, o óleo líquido é transformado em gordura sólida, conferindo, por um baixo custo, maior crocância, sabor e prazo de validade aos produtos.

O óleo líquido é transformado em gordura sólida.
 
 
Onde a gordura trans é utilizada

 

A gordura trans industrial é amplamente utilizada pela indústria de alimentos, principalmente em produtos ultraprocessados como:

  • sorvetes
  • cremes vegetais
  • massas instantâneas
  • salgadinho de pacote
  • bolos prontos
  • biscoitos
  • chocolates
  • pipoca de microondas
  • margarina
 
 
 
 

POR QUE SEU CONSUMO FAZ MAL?

Por que o seu consumo faz mal?
A gordura trans não é essencial para o organismo e não oferece nenhum tipo de benefício à saúde. Por isso, não há recomendação de consumo ou valor mínimo tolerado.
A gordura trans reduz os níveis do bom colesterol, o HDL, que protege o coração, e aumenta os níveis do mau colesterol, o LDL, que pode causar o entupimento dos vasos sanguíneos.
O seu consumo excessivo está diretamente relacionado ao aumento do risco de doenças cardiovasculares, como derrame, infarto, entre outras doenças.
 
 

PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA?

As doenças do coração são a principal causa de morte e de internação hospitalar no Brasil. Em 2015, essas doenças causaram
31,2% do total de óbitos no País

31,2% do total de óbitos no País
 

(Brant et al. Variações e diferenciais da mortalidade por doença cardiovascular no Brasil e em seus estados, em 1990 e 2015: estimativas do Estudo Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia; 20 Suppl 1: 116-128, 2017)

 
Em um informe divulgado em 2019, a OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou que ao menos 5 bilhões de pessoas em todo o mundo convivem com os riscos de desenvolver doenças associadas ao uso das gorduras trans industrial. Segundo a entidade, o ingrediente industrial causa cerca de 500 mil mortes a cada ano.
 
 

 
 

COMO SABER SE O ALIMENTO CONTÉM GORDURA TRANS?

A informação sobre a quantidade de gordura trans nos alimentos é obrigatória no Brasil. Porém, se igual ou inferior a 0,2 gramas por porção do alimento, pode ser declarada como zero na TABELA NUTRICIONAL.

TABELA NUTRICIONAL
Mas, atenção: como existe uma tolerância de precisão nos valores declarados, a indústria pode manipular o tamanho da porção para que o valor da gordura trans seja declarado como zero.
 
 

 
 

A identificação da gordura trans também é obrigatória na LISTA DE INGREDIENTES, porém, não existe uma padronização. Diversas denominações distintas são utilizadas pela indústria para se referir a esse ingrediente, o que pode gerar confusão e induzir o consumidor a erro:

Ingredientes que contêm gordura trans: gordura vegetal hidrogenada, gordura parcialmente hidrogenada, óleo vegetal hidrogenado, hidrogenado.
Ingredientes que podem ou não conter gordura trans: gordura vegetal, margarina, creme vegetal.
 
 

 
 

Outro problema para a identificação da gordura trans é que as embalagens podem utilizar a ALEGAÇÃO de “não contém gordura trans” ou “zero gordura trans” quando sua quantidade for igual ou inferior a 0,1 grama/porção.

ZERO GORDURA TRANS
A presença desse tipo de publicidade não significa que o alimento em questão é saudável, já que indica somente um aspecto nutricional, muitas vezes enganoso.
 
 

 
 
Zero gordura trans, só que não
 
Pesquisa mostra que diversos produtos apresentam a alegação de “0 gordura trans” em seus rótulos, como estratégia de marketing, mas na verdade contêm gordura trans.
Salgadinhos: 11,5% / Produtos de panificação: 9,2% / Biscoitos: 8,4% / Doces e sobremesas: 6,1% / Comidas de conveniência: 3,1% / Molhos e temperos: 2,2%
 

*Estudo desenvolvido por pesquisadores em nutrição do Nupens/USP (Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Pública da Universidade de São Paulo) e do Idec. (Ricardo et al. Trans fat information of Brazilian package foods. Artigo em revisão. 2019.)

A pesquisa foi realizada entre abril e julho de 2017 nas 5 principais redes de supermercado do Brasil, a partir das informações presentes nos rótulos de 3.491 produtos. Para chegar aos resultados, foi comparado o que o produto apresenta em sua lista de ingredientes com as informações presentes nas alegações nutricionais.

 
 

 
 

A PROIBIÇÃO DA GORDURA TRANS NO MUNDO

Atualmente, a OMS recomenda que o consumo diário de gordura trans não ultrapasse 1% do valor energético total de uma dieta — o que representaria algo como não mais do que 2g por dia em uma dieta de 2.000 calorias, ou uma colher de sopa de margarina.

Não mais do que 2g por dia em uma dieta de 2.000 calorias, ou uma colher de sobremesa de margarina.
 

Em 2007, a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) recomendou a eliminação da gordura trans produzida industrialmente e planejou estabelecer um prazo para o banimento total da gordura trans nas Américas.

 
 

 
 

RESULTADOS ALCANÇADOS

TABELA NUTRICIONAL
TABELA NUTRICIONAL
 
 

 

E NO BRASIL?

Atualmente, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) discute formas de restringir e até proibir a presença de gordura trans em alimentos. Em dezembro de 2018, houve uma reunião para a discussão técnica sobre o tema, e para 2019 está prevista a abertura de uma consulta pública.

Como a gordura trans não tem nenhum benefício à saúde, com malefícios vastamente conhecidos, o Idec defende o banimento da utilização de gordura trans industrial no Brasil.